quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

- Diário aos 20 anos


Ah, estou fazendo minha primeira postagem num blog que eu tenho vontade de criar a muito tempo. Talvez pela nostalgia, pelo fato que na pré-adolescencia eu era viciada nisso, ou pela solidão que me sufoca, então eu criei um blog para desabafar comigo mesma, e quem sabe alguém leia minhas postagens e se identifique com o que sinto. Sou contra amizades VIRTUIAS, mas quem sabe não poderia dividir emoções?
Aqui falarei da minha vida: dos meus sentimentos, das minhas dores, aventuras e amores, ah, e não faltarão aventuras.

Eu gosto de ser quem eu sou, amo o curso que faço, mas se tivesse 7 vidas eu estudaria musica [ piano, violão, sax, flauta], estudaria línguas [ todas possíveis e imaginaveis], faria teatro ou se Deus tivesse me dado o dom eu faria shows de musica. Adoro sentir a vivração do povo cantando e acompanhando letras das musicas. Adoro também aquela fumacinha e as luzes. Quem sabe em outra a vida? Afinal, a nossa vida pe feita de escolhas, e eu fiz a minha. Eu AMOOO dançar, e ainda entro em aulas de dança que eu ainda não aprendi. Adoro preparar vídeos, emocionar pessoas. Se é pra AMAR eu AMO, e dou a vida pelo amor. É INTENSO enquando dura. E por mais que haja um milhão de interpretações válidas em minha vida sobre essa ultima frase, foi por ela que eu scolhi a medicina, e é por ela que eu scolho amores e amigos. Não gosto de meios-termos. Ou é tudo ou é nada.

Eu tento ser real, tento ser verdadeira, eu posso dizer EU TE AMO sem amar, porque pra mim TODOS os sentimentos são passageiros e vulneráveis. A gente AMA por uns meses e DESama por outros, e se naquele exato segundo eu sentir amor direi que amo. Mas admito que as vezes os sentimentos tornam-se intermitentes e é aí que começa meu medo.

Quem não tem medo que a mãe morra? Ou de ficar sozinho? Se você que ler essa mensagem não tiver esse medo, por favor, deixe um comentário com a receita. Porque so de pensar em perder minha família bate uma tristeza tão forte....

Nossa, toda essa conversa está mesmo sem coerencia. Sem começo nem fim.
Talvez seja porque é a primeira postagem.
Eu vou começar a fazer o título primeiro, então me prendo a ele e não fujo do assunto.

HOJE, eu estou num momento ruim... será que tão ruim assim? Ah, eu tenho tudo que quero [MENTIRA: uns quilinhos a menos e uns 100.000 na conta do BB adiantaria minha vida... hahahaha], mas eu tenho muito mais que muita gente precisa para ser feliz. Voltei de curitiba tem qse uma semana, quando eu stava qse doente de saudade, e me sentindo ATADA por ver um amor [ antigo amor? doença? ciúme? paixão? ] ir embora e eu sem poder fazer nada. Quando consegui ver a praia comecei a chorar... ainda havia alguma esperança de colocar a minha vida em ordem? De reconquistar o amor que eu perdi? E a vontade de receber um abraço dos meus pais? Saudade d ver minhas amigas, e ajuda-las quando possivel, e dividir com elas as minhas angústias de migrante.

Continuo isso na próxim postagem...

Nenhum comentário: