quarta-feira, 3 de julho de 2013

Do fundo do meu coração


"Eu, cada vez que vi você chegar me fazer sorrir e me deixar
Decidido eu disse: Nunca mais
Mas novamente estúpido provei desse doce amargo, quando eu sei cada volta sua o que me faz
Vi todo o meu orgulho em sua mão deslizar, se espatifar no chão
Eu vi o meu amor tratado assim mas basta agora o que você me fez
Acabe com essa droga de uma vez não volte nunca mais pra mim
Eu, toda vez que vi você voltar eu pensei que fosse pra ficar
E mais uma vez falei que sim mas já depois de tanta solidão
Do fundo do meu coração não volte nunca mais pra mim
Se você me perguntar se ainda é seu todo meu amor, eu sei que eu certamente vou dizer que sim
Mas já depois de tanta solidão do fundo do meu coração
Não volte nunca mais pra mim"

Boa Noite people!
Estou com o blog aberto tem um tempão, mas não tava conseguindo escrever. Digitei tanto hoje que minha mão ta doendo.

A música de hoje foi indicação de um colega... que me fez rir um pouquinho, me deu conselhos, e me indicou ouvi-la (já que eu tava afim de chorar, então chorasse tudo de uma vez! Hehehehe)
Apesar disso a letra é bem boa, e uma boa mensagem à quem me faz passar por tudo que eu estou passando...

Mas enfim... ontem foi um dia muito difícil...
Depois de quase 20 dias 'bem', a dor voltou novamente.
A dor da decepção, a dor do fracasso, a dor de ter seu amor jogado fora....

Dei plantão esse fim de semana, e foi um plantão inédito, e simplesmente o plantão que eu mais trabalhei... 24h de caos. Dormi 3 horas apenas.
Andei tanto pelos corredores do hospital na madrugada, indo de lá pra cá toda hora.
Estava muuuuito frio e com geada forte.
E bateu uma tristeza... Tristeza pois eu tinha falado com "ele" na sexta, e conversamos 'bem'.
Sempre esteve claro que não há mais volta... mas apesar de termos terminado nosso relacionamento amoroso, fomos melhores amigos 3 anos e meio. E eu sinto muita falta da companhia que ele me fazia, sinto falta de ter alguém que me ligasse quando eu acordasse e que me mandassem mensagem quando eu fosse dormir.
Aí passam aqueles pensamentos horríveis na cabeça... tive medo. Medo de passar a minha vida inteira andando por corredores de hospitais, e voltar pra casa sem nem ao menos ter alguém pra ligar, em não ter ninguém me esperando em casa, ou alguém pra eu esperar.
Tive medo de ficar sozinha o resto da vida. Tive medo de não ter alguém que me ame como mulher. Fiquei pensando se todos os homens são assim. Se algum dia vou encontrar um cara que queira um relacionamento sério, um cara que queria casar.
Enfim, ele sumiu... sumiu sábado todo, e eu liguei pra ele, liguei pra ele incessantemente. Liguei em todos os números que eu conhecia. Os dois celulares que eu sei o numero estavam desligados... mas consegui falar em outro número, e o que eu ouvi é que ele tinha se barbeado, tomado banho e saído sem dizer pra onde foi. E tinha deixado os dois celulares em casa.
As 4h da manhã do sábado ele mandou uma mensagem dizendo que tinha ido a casa de um amigo.... Mas eu tinha conversado com aquele amigo no mesmo sábado, e este amigo disse que não o via há semanas...

Sabe, eu sou lerda... por que as vezes eu ouço as mentiras e demoro pra absorver. E neste ultimo mês, foram tantas 'histórias mal contadas', que eu precisava refletir um pouco pra perceber que não tinha sentido...

E a minha tristeza aumentou, pois no domingo ele também não me ligou, não mandou mensagem falando nada... e na segunda também não. As 16h da segunda eu já estava em desespero... triste, com aquela tristeza da primeira semana... E ele tinha saído de casa novamente e deixado os celulares em casa.
E desde que terminamos eu não tinha deixado de falar com ele um dia inteiro...
E estava doendo demais, porque eu sabia que ele tinha mentido sobre onde tinha ido... e também sentia que tinha muito mais aí. Mas para imaginação não há limites...

Bom, mas no fim da segunda feira ele me ligou... e me tratou mal, foi seco comigo, nada parecido com aquele homem que tantas vezes eu fui ombro pra ele chorar ou ouvidos pra ele desabafar... Nada parecido com aquele homem que me fazia rir, que dizia que me amava, que chamava dos apelidos mais carinhosos que alguém pode ouvir. Nada parecido com o homem que eu tanto amo. Amo sim, amo um homem das minhas fantasias, e não alguém que realmente existe mais.
Ele me ligou, e continuou falando MENTIRAS! Mentiras que eu já sabia que eram mentiras... e desligou quando eu o indaguei sobre a verdade.

Na mesma noite, conversei com algumas pessoas... e por mais que doa em mim, por mais que essa seja a coisa que eu MENOS quero aceitar... é óbvio que realmente ele não sente mais amor por mim. Nenhum tipo de amor...
Entre as pessoas que eu conversei, ouvi relatos de alguns que disseram que ele 'não queria trocar o certo pelo duvidoso', e que 'estava gostando muito de uma garota, mas que tinha medo de me deixar e a garota não quisesse ficar com ele, e ele acabasse sozinho', li relato que ele dizia que 'eu era chata, só fazia cobranças, e ele tinha cansado disso, que queria viver a vida de verdade e não ficar só no telefone como era hoje'.
Li relatos que comprovavam tudo que eu nunca quis enxergar... que ele realmente não gostava mais de mim.
Depois de quase 3 dias sem dar sinal de vida, depois de mentiras sobre onde estava, depois dele ter abandonado TUDO (namorada+familia que amava ele, o sonho de um loja que ele tanto quis, amigos que tanto o amavam e torciam por ele) menos a faculdade - que ele não faltava nunca,
depois de ouvir que ele realmente estava apaixonado por outra garota, garota que estava na faculdade, ... acho que posso dizer que tenho critérios maiores e menores pra garantir que ele realmente está apaixonado por outra pessoa. Eu não preciso de exames complementares e comprobatórios pra chegar a este diagnóstico.
É como dizer que não foram os Nardoni que jogaram a Isabela pela janela do prédio.

E quando terminamos nosso namoro, eu pedi sinceridade dele, HONESTIDADE. E mesmo depois de ter falado TUDO que eu escrevi aqui pra ele, ele continua negando que está apaixonado, negando que gosta de alguém!
Eu me sinto tão burra nesses momentos! Me sinto estúpida!
Como pude ser tão cega, tão fiel, tão LEAL à um homem que NEM  AO MENOS É SINCERO COMIGO!?
Fico pensando que ele realmente sempre me viu como uma segunda opção. Quando o casamento dele deu errado, ele arrumou meios de encontrar a Aline bobinha... porque sabia que a Aline-bobinha-carente-dependente o aceitaria de braços abertos.
E agora foi isso novamente...
Ele disse que não queria trocar o certo pelo duvidoso, penso que ele não admite pra mim que está apaixonado porque acha que eu ainda vou aceita-lo de volta, caso ele diga que perdeu a cabeça, e que cometeu erros. Afinal, eu SEMPRE perdoei. Por que não o faria agora?

Eu não faria agora, por que ele me obrigou a abrir os olhos. Me obrigou a abrir os olhos pro tanto de erros que ele cometeu e eu fingi que não vi, me obrigou a abrir os olhos e enxergar quem ele é de verdade, que por baixo daquela máscara, por baixo daquela pessoa sofrida, com uma família cheia de problemas, uma pessoa abandonada pelos pais, uma pessoa que foi humilhada pelo mundo, existe alguém que não tem UMA GOTA DE CONSIDERAÇÃO com quem faz bem pra ele, e não foi só eu. Mas é assim... ele não se sente culpado a brincar com as pessoas... Ele mente sem pena, some sem pena, ele cativa as pessoas, ele conquista as pessoas - é só ver pelo tanto de pessoas que tem carinho por ele - mas ele descarta quem ele quer. Ele descarta quem não é mais interessante pra ele...
E durante todo esse tempo, eu pensei que ele tivesse mudado... e só agora eu consegui ver que ele sempre foi a mesma pessoa...

E foi uma noite difícil... foi uma noite de lágrimas.
Lágrimas por já entender que tudo realmente acabou, e que o que eu mais temia realmente aconteceu.
E eu que sempre tive 'plano B' pra tudo na minha vida, NÃO tinha plano B pra isso... porque eu o subestimei. Eu acreditei que ele NUNCA fosse terminar comigo... eu sabia que nunca ia sair da linha, que eu nunca iria dar motivos pra ele terminar comigo, e pensei que isso bastasse.
Mas penso que ele não terminou comigo por minha causa...
Como ele disse na primeira vez que 'justificou o fim', ele disse que estava cansado de ver as pessoas - principalmente da faculdade - sendo felizes, e ele ali, namorando o telefone, que ele queria sentir pele, sentir beijos e abraços, que ele tinha cansado de mim....  Foi por isso que ele não quis mais.
E é justificável mesmo.
Lá ele tinha a melhor amiga 'atual' dele. Lá ele tinha alguém pra desabafar e ganhar um abraço (ou algo mais) no final, la ele tinha alguém pra fazer companhia na cerveja, independente do dia da semana - coisa que no meu mundo, cheinho de regras, é inaceitável - , lá ele tinha alguém pra rir com ele independente de qual irresponsável ele fosse com seus deveres, alguém que era do mesmo grupo de amigos que ele, alguém que apreciava a liberdade, a falta de satisfação... alguém que era exatamente igual ele, e que daria pra ele 'tudo que eu tirei'...
Tirei SIM! Tirei por que sabia que se ele quisesse crescer teria que economizar dinheiro, e não gastar com cerveja todos os dias, teria que dormir cedo, para poder acordar cedo no dia seguinte para trabalhar... Tirei sim, por que queria que ele estudasse, pois acredito que pra chegar além dos outros, é preciso fazer coisas que os outros não fazem! Tirei sim porque sei que sem abrir mão de pequenas vontades, não é possível conquistar grandes coisas! E se ele quisesse ter uma vida boa comigo, teria que trabalhar e estudar pra termos uma vida aceitável. Dinheiro não trás felicidade, mas a sua falta trás sim problemas.
E é claro que eu tirei porque eu não sou perfeita, eu também tenho meus defeitos. Sou ciumenta e consideravelmente compulsiva-obsessiva.
Reconheço um pouco dos meus problemas, e estou tentando corrigi-los a cada dia.
Eu fui CHATA? SIIIIM! Eu COBREI? SIIIIM!
E eu nunca pensei que ele encontraria um ombro tão agradável pra chorar longe de mim... Viu? Eu o subestimei!

Enfim, além de tudo isso eu ainda pensei o seguinte...
Eu fui APAIXONADA por ele 3 anos e meio, porque nunca vivi perto. Porque eu me apaixonei pelo cara que falava comigo no telefone... um cara do jeito que eu imaginava... com a barba feita, com o cabelo bem cortado, bem lavado e bem penteado, com a camiseta polo que eu tanto gostava... Me apaixonei por um cara sem defeitos, até porque no telefone eu só sabia das coisas legais que ele fazia, só sabia das vitórias.
E uma vez por mês eu ia encontrar o cara do telefone que eu imaginava... e o que acontecia? Eu me frustava, e isso gerava brigas. Porque infelizmente eu o via com um tipo de roupa que eu não gostava, porque o cabelo dele nunca estava do jeito que eu gostava... as vezes eu até pensava que era pra me irritar. Mas AQUILO era a REALIDADE.
Dai depois desse primeiro momento a gente se acertava, e ele fazia o papel do meu 'principe' (como nos chamavamos) por 3-4 dias que eu ficava em casa...
Em seguida voltavamos para o telefone... e foram 3 anos e meio assim.
E nas férias, a gente costumava a brigar mais que o normal, nada de grandes brigas. Mas eu 'enchia muito o saco', porque via tudo que ele era de verdade. Mas estava carente, e queria namorar... então aceitava.
E hoje eu sofro não pelo cara que existe, mas pelo cara que eu namorei PELO TELEFONE 3 anos e meio!
Penso que se namorássemos 'pessoalmente', já teríamos nos separado antes. Eu teria descoberto mais mentiras, e aí sim teríamos brigas, e terminaríamos...

Pois é, são muitas teorias, pra tentar explicar o que eu menos quero acreditar...
que ele realmente deixou de me amar, e PIOR, está apaixonado por outra garota...

Mas aos poucos vou juntando meus caquinhos... e tenho que admitir que toda essa situação está me trazendo muitas lições, isso está me trazendo gente muito mais vivida, e isso está colocando pessoas muito legais na minha vida.
E hoje alguém me ensinou que 'nenhum projeto é perfeito', sempre precisa-se ter uma válvula de segurança.
E essa é a lição do dia... sempre preciso de uma válvula de segurança. Senão acontece isso aí que aconteceu comigo.

Bom amigos, esse é o desabafo de hoje.
Faltam só 3 dias pra eu voltar pro meu lar... ver meu sobrinhos que eu tanto amo, ver a minha família que ficou ao meu lado, mesmo reconhecendo a grande burrada que fizemos. Volto para os meus amigos, que nunca me abandonaram, e cada dia estão mais juntos a mim! =)

Já era pra eu estar dormindo essa noite! Tive um dia cheio hoje...
Boa Noite, e até o próximo post...
(que vai ser o post de féééérias)


PS:  Por favor, perdoem-me os erros de grafia nos 'porquês' e 'afins', eu nunca decoro essa regra... ¬¬'

Um comentário:

Anônimo disse...

Não é preciso ler tudo para entender sua dor. Basta ter amado para já nas primeiras linhas identificar alguém que também amou e sentiu o amargo do sentimento unilateral. Sim, vc foi leal, mas leal ao seu sentimento, respeitar seu ex-namorado era consequência direta disso, então não se questione ou se culpe de tolice: algumas pessoas encaram a honestidade como um dever tão chato quanto ir votar no presidente da República em um domingo ensolarado e, infelizmente, muitas continuarão pensando assim até o fim da vida, portanto, sua lealdade e honestidade nascem em vc, pois vc é assim e não depende dele e de nenhum outro homem o seu caráter.
Ademais, alguns homens não são fortes o suficiente para acompanhar uma bela mulher de olhos verdes com objetivos e que corre atrás desses objetivos, a maioria para ali na criação de apelidos carinhosos. Alguns se contentam com ilusões, são eles os fracos, os bobos: não realizam muita coisa, ficam na espreita se iludindo e iludindo outras pessoas – egoístas o suficiente para não irem além de questionamentos em que o “eu” impera. Vc, do pouco que conheço, não se encaixa nesse perfil, afinal, seus sonhos estão com você, amadurecendo com vc a cada dia de plantão, de avaliação ou artigo. O máximo que se pode falar é que você fraquejou, mas é o que fazemos na maior parte das vezes quando gostamos muito de alguém; para isso tem-se a frase: "Amar não é aceitar tudo. Aliás: onde tudo é aceito, desconfio que haja falta de amor”. Essa frase propõe pensar não somente o que sentimos por outro ser, mas o amor que sentimos por nós mesmos, ou melhor, que deixamos de sentir em alguns momentos quando dedicamos todas as nossas forças a demonstrar quão grande é o nosso sentimento pelo outro ser; não acho que as pessoas deixem de ter amor próprio, mas acredito que o deixem em “off” em algumas situações e é por isso que é necessário se questionar, apesar de toda a dor: realmente é amor aquilo que faz com que eu me esqueça do meu amor por mim? Do respeito que tenho por mim? É realmente amor aquilo que desafia não apenas a lealdade que tenho com meus princípios, mas o meu próprio sentimento enquanto ser que ama? O amor, em todas as suas esferas, também pede decisões e nem sempre elas são doces quando tomadas, muitas vezes, vão se revelar algum tempo depois e, na maioria das vezes, elas se revelam sim; Contudo, eu sei, a dor é imediata e pede alívios momentâneos, mas também sei que quando aprendemos a lidar com essa dor, potencializando-a em fonte de metamorfose a pele sempre fica melhor, por algum motivo que não sei qual é, nossa pele melhora e, em paralelo, já se começa a compreender que a felicidade flui de si e que a companhia do si mesmo é tão interessante que a gente começa a se abrir para o mundo de novo, para ele conhecer esse ser interessante, apesar de todas as suas magoas e cicatrizes. Não sei se o que escrevi aqui faz algum sentido, na verdade, só queria dizer-lhe que não estas sozinha, primeiro pq tem a si mesma ,segundo pq todos nós - apaixonados incuráveis pelo amor - estamos com vc também. Quem sabe não vá esbarrar com algum espécime “macho” do grupo? A vida está aí possibilitando as alternativas!

"Você deveria ser capaz de estar só, completamente só e, ainda assim, tremendamente feliz. Então, você pode amar. Então, seu amor não é mais uma necessidade, mas um compartilhar, não mais é uma carência. Você não se tornará dependente das pessoas que você ama. Você compartilhará – e compartilhar é bonito.
Mas o que comumente acontece no mundo é: você não tem amor, a pessoa que você pensa que ama não tem nenhum amor em seu ser também, e ambas clamam pelo amor do outro. Dois mendigos mendigando entre si.
Se há algo que você deve aprender do fracasso do amor, é: torne-se mais consciente, mais meditativo. E por meditação eu quero dizer a capacidade de estar alegre sozinho." - Osho